quarta-feira, julho 04, 2007

Metamorfoses

O Ricardo já tinha dado a notícia, mas só agora me chega às mãos a novíssima tradução das Metamorfoses de Ovídio, traduzidas pelo querido amigo e colega Paulo Farmhouse Alberto. Ainda não tive tempo de ler um naco suficientemente grande, mas do que li até agora a tradução é excelente (nem outra coisa seria de esperar), e o português elegante e agradável. Aqui deixo os primeiros versos.

«De formas mudadas em novos corpos leva-me o engenho
a falar. Ó deuses, inspirai a minha empresa (pois vós
a mudastes também), e conduzi ininterrupto o meu canto
desde a origem primordial do mundo até aos meus dias.»

Ovídio, Metamorfoses. Cotovia, 2007.
ISBN 978-972-795-206-9

2 comentários:

André Rodrigues disse...

Saudações e parabéns pelo blog!

Ego vero totus floreo com a nova tradução de Ovídio.
Uma dúvida de um curioso: no estilo épico deverá mesmo dizer-se «...leva-me o engenho a falar»? É que 'leva-me a falar' não me parece muito épico. O original é, creio, «fert animus ... dicere». Não tenho de facto nenhuma proposta muito mais feliz, mas sempre gostava de vos ouvir.
Obrigado e força para o Catulo.
Nota: respondam se quiserem.

André disse...

Olá. Eu acho que está bem assim, é a tradução mais aproximada. Gosto mais do que a solução apresentada por Domingos Lucas Dias ("é meu propósito..."). Abraço!